Lista de Dispositivos Médicos Prioritários no Contexto do vírus COVID-19. Orientações provisórias, 27 de março de 2020.

Este documento é uma atualização das Orientações provisórias da OPAS para o gerenciamento de casos de COVID-19 nos serviços de saúde. A lista de dispositivos médicos prioritários no contexto do vírus COVID-19 fornece descrições técnicas e especificações para o manejo de pacientes com suspeita e/ou confirmação de infecção por COVID-19 nos diferentes níveis de complexidade do tratamento e para as fases de atendimento. Esclarecemos que a lista incluída neste documento deve ser adaptada ao contexto de cada país da região, de acordo com as necessidades e capacidades de seus sistemas de saúde.

Acesse aqui o documento

Fontes e distribuição de oxigênio para os centros de tratamento da COVID-19.

Os dados da China sugerem que embora a maioria das pessoas com COVID-19 tenham doença leve (40%) ou moderada (40%), cerca de 15% apresentam doença grave que requer oxigenoterapia, e 5% ficam em estado crítico e precisam de tratamento em uma unidade de terapia intensiva. Além disso, a maioria dos pacientes críticos com COVID-19 precisará de ventilação mecânica.2,3 Por esses motivos, as unidades de saúde que tratam da COVID-19 devem estar equipadas com oxímetros de pulso, sistemas de oxigênio em funcionamento, incluindo interfaces de administração de oxigênio de uso único. A oxigenoterapia é recomendada para todos os pacientes graves e críticos com COVID-19, em doses baixas, variando de 1-2 L/min em crianças e começando com 5 L/min em adultos com cânula nasal, fluxos moderados para o uso em máscara de Venturi (6-10 L/min); ou fluxos mais altos (10-15 L/min) com o uso de uma máscara com bolsa reservatório. Além disso, o oxigênio pode ser administrado em fluxos mais altos e em concentrações maiores, usando uma cânula nasal de alto fluxo (CNAF)

Acesse aqui o documento

Atualização Dinâmica e Contínua de Potenciais Terapias para COVID-19: resumo de revisões sistemáticas rápidas.

Este documento inclui os resultados de uma rápida revisão sistemática da literatura atualmente disponível. As informações incluídas nessa revisão refletem as evidências disponíveis até a data informada no documento. O banco de dados a seguir, baseado em evidências, foi compilado para orientar a respeito dos estudos publicados até o momento, e continuaremos trabalhando para adicionar a essa tabela novos dados de pesquisa à medida que estes se tornarem públicos. Os medicamentos atualmente em estudo são: meplazumabe, ivermectina, siltuximabe, danoprevir, tocilizumabe (IL-6), favipiravir, darunavir, nelfinavir, remdesivir, interferon-alfa, cloroquina e outros. 

Acesse aqui o documento

Considerações regulatórias sobre a autorização do uso de plasma convalescente (PC) para atender à emergência da COVID-19.

Desde o século passado, a imunização passiva tem sido usada para a prevenção e tratamento de algumas doenças infecciosas humanas. O soro de pacientes convalescentes é o tratamento de escolha nos casos de febre hemorrágica argentina. Além disso, foi utilizado durante surtos de Ebola na África e também durante os surtos de SARS e MERS, pois não havia outras opções terapêuticas. A experiência até o momento com o uso de plasma convalescente no tratamento da COVID-19 é limitada, mas alguns resultados preliminares indicam sua utilidade em potencial. Vários ensaios clínicos controlados estão em andamento, a fim de coletar mais evidências científicas de qualidade para confirmar a segurança e a eficácia dessa intervenção. Nesse contexto, as recomendações preveem seu uso em condições experimentais dentro da estrutura regulamentar de cada país. Além disso, existem dificuldades para a coleta, processamento e distribuição em larga escala de plasma de pacientes convalescentes para atender às necessidades clínicas em potencial. 

Acesse aqui o documento

Recomendação sobre o uso de ivermectina no tratamento de COVID-19.

Um estudo recente informou que a ivermectina foi usada com êxito, in vitro, para o tratamento do vírus SARS-CoV-2 em células infectadas experimentalmente. Duas publicações preprint sobre estudos clínicos observacionais relataram aparente utilidade da ivermectina no tratamento de pacientes com COVID-19, em ventilação mecânica. Nenhum desses estudos teve revisão por pares, nem foi publicado formalmente, e um deles se retratou depois. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) compilou um banco de dados de evidências sobre potenciais tratamentos para COVID-19, e fez uma revisão rápida de todos os estudos realizados em humanos, in vitro (laboratórios) ou in vivo (clínicos), publicados de janeiro a maio de 2020. A revisão concluiu que os estudos sobre ivermectina tinham um alto risco de viés, muito pouca certeza de evidências, e as evidências existentes eram insuficientes para se chegar a uma conclusão sobre benefícios e danos. Apesar da efetividade da ivermectina estar sendo avaliada atualmente em diversos ensaios clínicos randomizados, deve-se enfatizar que a Organização Mundial da Saúde (OMS) excluiu a ivermectina de seu ensaio “Solidarity Trial” para tratamentos da COVID-19, uma iniciativa co-patrocinada, para encontrar um tratamento efetivo para COVID-19.

Acesse aqui o documento

Manutenção do fornecimento de sangue seguro e adequado durante a eclosão da pandemia da doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19).

Este documento apresenta uma orientação provisória sobre a gestão do fornecimento de sangue em resposta à pandemia da doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19). É dirigido a serviços de hemoterapia, autoridades nacionais de saúde, e outros responsáveis pelo fornecimento de sangue e hemoderivados e pela integração do sistema de bancos de sangue com o sistema de saúde pública. A OMS continuará atualizando este documento conforme forem disponibilizadas novas informações.

Acesse aqui o documento:

Lista de medicamentos essenciais para tratamento de pacientes admitidos nas unidades de terapia intensiva com suspeita ou diagnóstico confirmado da COVID-19.

Elaborar uma lista de medicamentos essenciais (LME) para tratamento de pacientes nas Unidades de Terapia Intensiva com suspeita ou diagnóstico confirmado da COVID-19, incluindo os princípios ativos com sua forma farmacêutica e concentração e que, de preferência, estejam na Lista Modelo de Medicamentos Essenciais da OMS 2019; com base nos quadros clínicos e sintomas identificados e priorizados nas Diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Campanha de Sobrevivência à Sepse (SSC - sigla em inglês para Surviving Sepsis Campaign)1, 3, e nas evidências apresentadas nas referidas diretrizes.

Acesse aqui o documento