Manejo Clínico da COVID-19. Orientação provisória, 27 de maio de 2020.

Este documento é uma atualização do guia interino originalmente publicado com o título “Manejo clínico da síndrome respiratória aguda grave (SRAG) na suspeita de doença pelo COVID-19” em 13 de março de 2020. A OMS continua a monitorar cuidadosamente a situação para quaisquer alterações que possam afetar este guia interino. Caso qualquer fator mude, a OMS emitirá uma atualização. Em caso contrário, este guia expirará 2 anos após sua publicação.

Acesse aqui o documento

Formulário revisado de notificação de caso confirmado de COVID-19 (notificar a OMS dentro de 48 horas após a identificação do caso)

Acesse o documento aqui

Atualização das recomendações provisórias da OMS sobre a vacinação contra COVID-19 de gestantes e lactantes, 2 de junho de 2021

Apresentação sobre recomendações provisórias da OMS sobre a vacinação contra COVID-19 de gestantes e lactantes Retrospectiva sobre evidências: Recomendações provisórias da Organização Mundial da Saúde (OMS); gravidez; lactação; rastreamento global de políticas; vigilância de segurança; ferramentas e recursos.

Acesse o documento aqui

Aleitamento materno e a doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19). Informações científicas.

Aleitamento materno é a base para a sobrevivência, nutrição e o desenvolvimento de lactentes e crianças pequenas, e para saúde materna. A Organização Mundial da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida, seguido por continuação do aleitamento e complementação alimentar adequada por até 2 anos ou mais. O contato pele a pele inicial e contínuo, alojamento materno e o método canguru também melhoram de forma significativa a sobrevida neonatal e reduzem a morbidade nessa fase, e são recomendados pela OMS. Entretanto, há uma preocupação: se as mães com a doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19) podem transmitir o vírus SARS-CoV-2 para os bebês ou crianças pequenas através do aleitamento. As recomendações sobre o contato mãe-bebê e aleitamento devem se basear na consideração ampla, não apenas dos riscos potenciais da COVID-19 para o bebê, mas também dos riscos de morbidade e mortalidade associados ao não aleitamento, uso inapropriado de fórmulas infantis, além dos efeitos protetores do contato pele a pele. Essa informação científica avalia as evidências atuais sobre os riscos de transmissão da COVID-19 de uma mãe infectada para seu bebê através do aleitamento materno, assim como as evidências sobre os riscos à saúde da criança por não ser amamentada.

Acesse aqui o documento

Orientação para preenchimento do CRF. Versão Rápida

Este CRF inclui 3 módulos: Módulo 1: deve ser preenchido no primeiro dia de internação na unidade de saúde. Módulo 2: deve ser preenchido diariamente durante a internação hospitalar e pelo número de dias que os recursos permitirem. Continue a acompanhar os pacientes que são transferidos para outras alas. Módulo 3: deve ser preenchido na alta ou no caso de óbito.

Acesse o documento aqui

Orientação para manejo de caso clínico de síndrome de trombose com trombocitopenia (TTS) após vacinação para prevenir doença por coronavírus (COVID-19). Orientação provisória. 19 julho 2021

O objetivo deste documento é fornecer orientações provisórias sobre o reconhecimento e o manejo clínico desse evento adverso raro, conhecido como síndrome de trombose com trombocitopenia (TTS), após a vacinação. Essa síndrome recentemente relatada recebeu diferentes nomes, incluindo trombocitopenia trombótica imune induzida por vacina (VIITT), trombocitopenia imune protrombótica induzida por vacina (VIPIT) e trombocitopenia trombótica induzida por vacina (VITT). No presente documento, o termo TTS será usado no contexto de vacinas de vetor de adenovírus contra COVID-19, a menos que especificado de outra forma.O conhecimento sobre a TTS após a vacinação com uma vacina de vetor de adenovírus COVID-19 está evoluindo rapidamente. Este documento tem como objetivo aumentar a conscientização sobre a TTS no contexto da vacinação contra COVID-19 e, assim, ajudar os profissionais de saúde na avaliação e manejo de possíveis casos de TTS. As pessoas e os profissionais de saúde devem estar cientes dos sintomas de uma possível TTS para permitir o diagnóstico imediato e o tratamento precoce. Os profissionais de saúde devem estar cientes dos testes de diagnóstico relevantes e saber quais tratamentos devem ser administrados e quais devem ser evitados. Este documento analisa as informações existentes sobre a epidemiologia, os fatores de risco, a etiologia, o diagnóstico e o protocolo de manejo clínico para TTS com considerações específicas para países de baixa e média renda (PBMRs). Ele será revisado à medida que surgirem novas evidências.

Acesse o documento aqui

Atendimento domiciliar para pacientes com suspeita ou confirmação de COVID-19 e gerenciamento de seus contatos. Orientação provisória, 12 de agosto de 2020.

Este breve informe se destina a orientar os profissionais de saúde pública e de prevenção e controle de infecção (PCI), os gerentes de unidades de saúde, os profissionais de saúde a e outros provedores comunitários treinados ao abordarem questões relacionadas ao atendimento domiciliar para pacientes com suspeita ou confirmação de COVID-19, referindo-se, portanto, a um paciente com suspeita ou confirmação de COVID-19 ao longo de todo o documento. Em muitos contextos, os serviços de saúde são prestados em nível comunitário e em casa por profissionais de saúde comunitários, médicos tradicionais, assistentes sociais ou uma variedade de provedores de atendimento formais e informais da comunidade, incluindo cuidadores. Para os fins deste documento, o termo “cuidadores” se refere aos pais, cônjuges e outros membros da família ou amigos que prestam cuidados informais, em oposição aos cuidados prestados por prestadores de atendimento de saúde formais.

Acesse aqui o documento

Uso de exames de imagem de tórax na COVID-19: guia de aconselhamento rápido. Anexo A online. Exames de imagem para COVID-19: revisão rápida

Um aglomerado de casos de pneumonia em Wuhan, China, foi notificado pela primeira vez ao escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) na China em 31 de dezembro de 2019. Logo depois, um novo coronavírus foi identificado como o agente causador. Esse vírus foi denominado coronavírus-2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2) e a doença associada foi chamada de doença do coronavírus 2019 (COVID-2019). Desde dezembro de 2019, a COVID-2019 se espalhou rapidamente de Wuhan para outras partes da China e pelo mundo inteiro. Em 30 de janeiro de 2020, a OMS declarou o surto uma emergência de saúde pública de importância internacional e em 11 de março de 2020, a OMS caracterizou o surto como uma pandemia. Uma variedade de achados de exames de imagem de tórax foi descrita em pacientes com COVID-19. O uso de imagens pode ser útil para o diagnóstico de pacientes com suspeita de COVID-19 e em pacientes com diagnóstico de COVID-19, para orientar o manejo. O objetivo desta revisão rápida é resumir as evidências encontradas em exames de imagem por tomografia computadorizada de tórax (TC), radiografia torácica (RXT) e ultrassonografia pulmonar (USP) para o diagnóstico de COVID-19, para o manejo da COVID-19 (efeitos inclusivos sobre os desfechos de saúde e previsão de desfechos) e para o diagnóstico de tromboembolismo pulmonar em pacientes com COVID-19.

Acesse o documento aqui

Hipertensão e COVID-19. Informe científico. 17 de junho de 2021

Doenças crônicas não transmissíveis já foram identificadas como fatores de risco para infeção pelo SARS CoV-2 e como fatores prognósticos de quadro grave de COVID-19, além de outros desfechos desfavoráveis (por ex., internação em unidades de cuidados intensivos ou mortalidade). A hipertensão é uma doença não transmissível que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Ainda não se sabe se a hipertensão arterial aumenta o risco de infeção pelo SARS CoV-2 ou o risco de quadro grave de COVID-19. Como base para este informe científico, uma rápida revisão sistemática foi encomendada para examinar se a hipertensão aumenta o risco de infecção pelo SARS CoV-2 e o risco de quadro grave de COVID-19. Este informe resume o papel da hipertensão como fator de risco e prognóstico na COVID-19, identificando, ao mesmo tempo, lacunas de pesquisa e conhecimento.

 

Acesse o documento aqui

Guia para o cuidado de pacientes Adultos críticos com coronavírus (COVID-19) nas Américas. Atualização, versão 2 curta, 27 de julho de 2020

Esta guia de prática clínica fornece recomendações baseadas em evidências para a identificação de marcadores e fatores de risco de mortalidade em pacientes críticos, controle de infecção, coleta de amostras, cuidados de suporte (ventilatório e hemodinâmico), tratamento farmacológico, reabilitação precoce, uso de imagens de diagnóstico, prevenção de complicações e critérios de alta. As recomendações são dirigidas a todos os profissionais de saúde que atendem os pacientes nos serviços de urgência/emergência e na unidade de terapia intensiva (médicos com especialidade em medicina de urgência, pneumologia, medicina intensiva, clínica médica, anestesiologia, infectologia, terapeutas respiratórios, fisioterapeutas, enfermeiras e químicos farmacêuticos). A guia foi elaborada para ser usada por tomadores de decisão e membros de entidades governamentais relacionados com o tratamento de pacientes com COVID-19 nas UTIs na Região das Américas. Esta guia não inclui aspectos relacionados com a nutrição e tratamento de complicações.

Acesse aqui o documento

Páginas