Atendimento domiciliar para pacientes com COVID-19 que apresentam sintomas leves e manejo de seus contatos.

A OMS preparou esta orientação provisória com recomendações relativas à prestação de assistência domiciliar segura para pacientes com suspeita de infecção por COVID-19, com sintomas levesa, e medidas de saúde pública relativas ao gerenciamento de seus contatos. Este documento foi adaptado da orientação provisória para infecção por coronavírus que causa a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV), publicada em junho de 20181. Ele se pauta nas diretrizes baseadas em evidência publicadas pela OMS, incluindo o documento Infection prevention and control of epidemic- and pandemic- prone acute respiratory diseases in health care,2 e nas informações atualmente disponíveis sobre COVID-19. Estas orientações rápidas foram atualizadas com as informações mais recentes e têm o objetivo de guiar os profissionais de saúde pública e de prevenção e controle de infecção (PCI), bem como gerentes de saúde e profissionais de saúde, nas questões relativas à assistência domiciliar para pacientes com suspeita de infecção por COVID-19 que apresentem sintomas leves, bem como o gerenciamento de seus contatos. Esta orientação baseia-se nas evidências disponíveis para o vírus COVID-19 e na possibilidade de se implementar medidas domiciliares de prevenção e controle de infecções. Para os fins deste documento, o termo “cuidador” refere-se a pais, cônjuges e outros familiares ou amigos, sem capacitação formal na área de saúde.

Acesse aqui o documento

Testes de diagnóstico para SARS-CoV-2. Guia provisória.11 setembro 2020

Este documento fornece orientações provisórias para laboratórios e outras partes interessadas envolvidas no diagnóstico da síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2). As principais considerações para a coleta de amostras, teste de amplificação de ácido nucleico (NAAT), antígeno (Ag), detecção de anticorpos (Ab) e garantia de qualidade são abordados WHElab@who.int. Alterações da versão anterior: O título desta guia provisória mudou de “Testes de laboratório para COVID-19 em casos humanos suspeitos” para “Testes de diagnóstico para SARS-CoV-2”. Informações adicionais relevantes e um algoritmo de diagnóstico clínico foram adicionados ao documento. Além disso, a guia foi atualizada com novas descobertas da literatura e melhores práticas.

Acesse o documento aqui

Nota Informativa da OMS COVID-19: Considerações sobre cuidados com a tuberculose (TB). 5 de maio de 2021

Esta nota Informativa destina-se principalmente a profissionais de saúde e elaboradores de políticas públicas envolvidos no tratamento de pessoas com TB e na gestão de serviços de TB durante a pandemia de COVID-19. Ele baseia-se em questões que, muitas vezes, surgem durante os trabalhos contínuos para prevenir e o atendimento da TB. Ele será atualizado à medida que surjam novas evidências. O documento está disponível na página do Programa Global de TB da OMS (httpspublic://p1ffr2tvv1163k16f5jsc2hst3n4.jpgwww.who.int/health-topics/tuberculosis). Enquanto o mundo continua enfrentando a pandemia de COVID-19, é importante garantir que serviços e operações essenciais para outros desafios de saúde de longa data continuem protegendo a vida das pessoas com tuberculose (TB) e outras doenças ou quadros de saúde. Os serviços de saúde, incluindo programas nacionais de combate à TB, precisam trabalhar ativamente para garantir uma resposta eficaz e rápida à COVID-19, além da manutenção dos serviços de TB. Os trabalhos de modelagem empreendidos em 2020 indicaram que, se a pandemia de COVID-19 causasse uma redução global de 25% na detecção de TB prevista durante seis meses, poderíamos esperar um aumento de 26% nas mortes por TB, o que nos levaria de volta aos níveis de mortalidade de 2012. A Organização Mundial da Saúde (OMS) está aconselhando os estados-membros encarregados da resposta à atual pandemia de COVID-19. O Programa Global de TB da OMS, juntamente com os escritórios regionais e nacionais da OMS, elaborou esta Nota Informativa, em colaboração com outras partes interessadas. Esta nota destina-se a ajudar os programas nacionais de TB e os profissionais de saúde a manter urgentemente a continuidade dos serviços essenciais para as pessoas acometidas pela TB durante a pandemia da COVID-19.

Acesse o documento aqui

Guia para os cuidados críticos de pacientes adultos graves com coronavírus (COVID-19) nas Américas (versão longa).

Este documento inclui os resultados de um processo de adaptação rápida de guias. As informações incluídas neste guia refletem as evidências na data publicada no documento. As recomendações se basearam nas evidências disponíveis e em sua qualidade (metodologia GRADE) quando o guia foi publicado. No entanto, reconhecendo que existem numerosos ensaios clínicos em andamento, a OPAS atualizará periodicamente essas revisões e respectivas recomendações.

Acesse aqui o documento

Formulário revisado de notificação de caso confirmado de COVID-19 (notificar a OMS dentro de 48 horas após a identificação do caso)

Acesse o documento aqui

Nota Informativa da OMS COVID-19: Considerações sobre cuidados com a tuberculose (TB). 5 de maio de 2021

Esta nota Informativa destina-se principalmente a profissionais de saúde e elaboradores de políticas públicas envolvidos no tratamento de pessoas com TB e na gestão de serviços de TB durante a pandemia de COVID-19. Ele baseia-se em questões que, muitas vezes, surgem durante os trabalhos contínuos para prevenir e o atendimento da TB. Ele será atualizado à medida que surjam novas evidências. O documento está disponível na página do Programa Global de TB da OMS (https://www.who.int/health-topics/tuberculosis). Enquanto o mundo continua enfrentando a pandemia de COVID-19, é importante garantir que serviços e operações essenciais para outros desafios de saúde de longa data continuem protegendo a vida das pessoas com tuberculose (TB) e outras doenças ou quadros de saúde. Os serviços de saúde, incluindo programas nacionais de combate à TB, precisam trabalhar ativamente para garantir uma resposta eficaz e rápida à COVID-19, além da manutenção dos serviços de TB. Os trabalhos de modelagem empreendidos em 2020 indicaram que, se a pandemia de COVID-19 causasse uma redução global de 25% na detecção de TB prevista durante seis meses, poderíamos esperar um aumento de 26% nas mortes por TB, o que nos levaria de volta aos níveis de mortalidade de 2012. A Organização Mundial da Saúde (OMS) está aconselhando os estados-membros encarregados da resposta à atual pandemia de COVID-19. O Programa Global de TB da OMS, juntamente com os escritórios regionais e nacionais da OMS, elaborou esta Nota Informativa, em colaboração com outras partes interessadas. Esta nota destina-se a ajudar os programas nacionais de TB e os profissionais de saúde a manter urgentemente a continuidade dos serviços essenciais para as pessoas acometidas pela TB durante a pandemia da COVID-19.

Acesse o documento aqui

Guia para os cuidados críticos de pacientes adultos graves com coronavírus (COVID-19) nas Américas (versão curta).

Este documento inclui os resultados de um processo de adaptação rápida de guias. As informações incluídas neste guia refletem as evidências na data publicada no documento. As recomendações se basearam nas evidências disponíveis e em sua qualidade (metodologia GRADE) quando o guia foi publicado. No entanto, reconhecendo que existem numerosos ensaios clínicos em andamento, a OPAS atualizará periodicamente essas revisões e respectivas recomendações. OBJETIVO E POPULAÇÃO-ALVO: Este guia de prática clínica foi desenvolvido com o objetivo de fornecer recomendações para o tratamento de pacientes adultos críticos com COVID-19 atendidos na UTI. A população-alvo é composta por pacientes adultos críticos com suspeita ou confirmação diagnóstica de COVID-19. Segundo a OMS, define-se como caso complicado o paciente que precisa de suporte ventilatório e/ou vigilância/tratamento na UTI, e que apresenta as seguintes características: (OMS, 2020). • FiO2/ PO2 ≤250 ou 2. • Radiografia de tórax com infiltrado bilateral esparso. • Frequência respiratória ≥30 ou saturação ≤90%. ESCOPO E USUÁRIOS: Este guia de prática clínica fornece recomendações baseadas em evidências para o controle de infecção, coleta de amostras, cuidados de suporte, tratamento medicamentoso e prevenção de complicações. As recomendações são dirigidas a todos os profissionais de saúde que atendem os pacientes no serviço de urgência/emergência e na unidade de terapia intensiva (UTI) (médicos com especialidade em medicina de urgência, pneumologia, medicina intensiva, clínica médica, anestesiologia, infectologia, fisioterapeutas respiratórios, enfermeiros e farmacêuticos). O guia deve ser usado por tomadores de decisão e membros de entidades governamentais relacionados com o tratamento de pacientes com COVID-19 em UTI na região das Américas. Este guia não incluirá aspectos relacionados com a nutrição, fisioterapia (exceto fisioterapia respiratória) e tratamento de complicações.

Acesse aqui o documento

Orientação para preenchimento do CRF. Versão Rápida

Este CRF inclui 3 módulos: Módulo 1: deve ser preenchido no primeiro dia de internação na unidade de saúde. Módulo 2: deve ser preenchido diariamente durante a internação hospitalar e pelo número de dias que os recursos permitirem. Continue a acompanhar os pacientes que são transferidos para outras alas. Módulo 3: deve ser preenchido na alta ou no caso de óbito.

Acesse o documento aqui

COVID 19 Tratamentos Experimentais.

Acesse aqui o documento

Uso de exames de imagem de tórax na COVID-19: guia de aconselhamento rápido. Anexo A online. Exames de imagem para COVID-19: revisão rápida

Um aglomerado de casos de pneumonia em Wuhan, China, foi notificado pela primeira vez ao escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) na China em 31 de dezembro de 2019. Logo depois, um novo coronavírus foi identificado como o agente causador. Esse vírus foi denominado coronavírus-2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2) e a doença associada foi chamada de doença do coronavírus 2019 (COVID-2019). Desde dezembro de 2019, a COVID-2019 se espalhou rapidamente de Wuhan para outras partes da China e pelo mundo inteiro. Em 30 de janeiro de 2020, a OMS declarou o surto uma emergência de saúde pública de importância internacional e em 11 de março de 2020, a OMS caracterizou o surto como uma pandemia. Uma variedade de achados de exames de imagem de tórax foi descrita em pacientes com COVID-19. O uso de imagens pode ser útil para o diagnóstico de pacientes com suspeita de COVID-19 e em pacientes com diagnóstico de COVID-19, para orientar o manejo. O objetivo desta revisão rápida é resumir as evidências encontradas em exames de imagem por tomografia computadorizada de tórax (TC), radiografia torácica (RXT) e ultrassonografia pulmonar (USP) para o diagnóstico de COVID-19, para o manejo da COVID-19 (efeitos inclusivos sobre os desfechos de saúde e previsão de desfechos) e para o diagnóstico de tromboembolismo pulmonar em pacientes com COVID-19.

Acesse o documento aqui

Páginas