Preparação, prontidão e ações de respostas crítica ao COVID-19.

Este documento descreve as ações de preparação, prontidão e ações de resposta crítica ao COVID-19 para cada cenário de transmissão.

Acesse aqui o documento

Manejo de viajantes doentes nos Pontos de Entrada (aeroportos, portos marítimos e passagens de fronteira internacionais) no contexto da COVID-19.

Segundo o Regulamento Sanitário Internacional (RSI), as autoridades sanitárias nos pontos de entrada devem estabelecer planos de contingência e ações efetivos em resposta a uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional, e comunicar com o Ponto Focal Nacional do RSI no tocante a medidas relevantes de saúde pública. Este documento fornece orientações sobre a detecção e manejo dos viajantes doentes com suspeita de COVID-19 nos pontos de entrada e em meios de transporte de qualquer natureza.

Acesse aqui o documento

Ferramenta de revisão das capacidades nacionais para o novo coronavírus (nCoV).

Este documento apresenta uma ferramenta para a revisão de capacidades existentes na área de detecção e resposta ao novo coronavírus. Estas informações ajudarão as autoridades nacionais a identificar as principais lacunas, realizar avaliações de risco e planejar investigações adicionais, ações de resposta e controle.

Acesse aqui o documento

Resposta à transmissão comunitária da COVID-19.

Este documento fornece orientação técnica para as autoridades governamentais, profissionais de saúde e outras partes interessadas para orientar a resposta à disseminação da comunidade. ele será atualizado à medida que novas informações ou orientações técnicas estiverem disponíveis.

Acesse aqui o documento

Considerações sobre a investigação de casos e agregados de casos (clusters) do COVID-19. Orientação provisória, 13 de março de 2020.

Este documento oferece orientação operacional aos Estados Membros para a investigação rápida dos casos suspeitos da COVID19 após um alerta ou sinal. É uma ferramenta a ser utilizada por autoridades de saúde locais, regionais ou nacionais que abordam considerações na investigação de casos de COVID19.

Acesse o documento aqui

Recomendações para a implementação da metodologia CICOM durante a resposta à doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19).

As recomendações técnicas deste documento visam fornecer orientações sobre a metodologia para implementação das Células de Informação e Coordenação Médica (CICOM) como uma função essencial do Centro Operacional de Emergências (COE) de Saúde, a fim de facilitar a tomada de decisões na expansão de capacidades, por meio do envio de equipes médicas de emergência e a instalação de locais alternativos de atenção médica, em cooperação com redes abrangentes de serviços de saúde e sistemas de atenção pré-hospitalar.

Acesse aqui o documento

Estratégias de vigilância para infecção humana por COVID-19. Orientação provisória. 10 de maio de 2020

O objetivo da vigilância para COVID-19 é limitar a propagação da doença, permitir que as autoridades de saúde pública gerenciem o risco de COVID-19 e, assim, liberar para que as atividades econômicas e sociais sejam retomadas na medida do possível. A vigilância também é necessária para monitorar as tendências de longo prazo da transmissão de COVID-19 e as mudanças no vírus. Esta orientação deve ser lida em conjunto com a orientação da OMS sobre ações de preparação, prontidão e resposta. Este documento oferece uma visão geral das estratégias de vigilância que os Estados Membros devem considerar como parte da vigilância nacional abrangente para COVID-19. Este documento enfatiza a necessidade de adaptar e reforçar os sistemas nacionais existentes e aumentar as capacidades de vigilância conforme necessário. A OMS publicou anteriormente um documento de orientação para a “Vigilância Global para COVID-19 causada por infecção humana pelo vírus da COVID-19” que inclui recomendações e ferramentas para relatórios internacionais. Ao revisar as estratégias nacionais de vigilância, os Estados Membros devem fornecer capacidade suficiente para relatar a vigilância global de COVID-19 à OMS.

Acesse o documento aqui

‘Perguntas’ ao setor privado na resposta à doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19)

O Plano Estratégico para Preparação e Resposta e a Atualização da Estratégia para COVID-19 apresentam as medidas de saúde pública necessárias para apoiar os países na preparação e resposta à COVID-19. Nessa inciativa, o setor privado tem um papel vital a desempenhar nas esferas locais, nacionais e globais. As seguintes “Perguntas” foram preparadas para que as empresas participem de ações concretas.

Considerações para implementação de tratamento em massa, busca ativa de casos e pesquisas de base populacional para doenças tropicais negligenciadas no contexto da pandemia de COVID-19. Orientação provisória. 27 de julho de 2020

Este documento apresenta a estrutura de tomada de decisão para implementação de intervenções de tratamento em massa, campanhas de busca ativa de casos e pesquisas de base populacional para doenças tropicais negligenciadas (DTNs) no contexto da pandemia de COVID-19. Traz ainda considerações que servem de orientação para as autoridades sanitárias relevantes, gestores de programas de DTN e seus parceiros.

Acesse o documento aqui

Investimento e desenvolvimento da preparação para emergências de saúde a longo prazo durante a pandemia de COVID-19. Orientação provisória para os Estados Membros da OMS, 6 de julho de 2020

Atualmente, os países estão concentrados na preparação e resposta à doença causada pelo novo coronavírus 2019 (COVID-19). Infelizmente, essa não será a última emergência de saúde vivenciada pelo mundo, e alguns países enfrentarão outras ameaças simultaneamente. Prevenção, preparação, prontidão, resposta e recuperação estão em um continuum, e, para ser eficaz, esse continuum precisa de atenção abrangente. Existe uma necessidade urgente de fortalecer as capacidades de segurança geral em saúde dos países para atender às demandas imediatas e melhorar as respostas a ameaças futuras além da COVID-19. Isso é crucial para que o mundo rompa o ciclo de “pânico e esquecimento” e evite uma repetição de experiências passadas, quando as capacidades criadas para ameaças específicas não foram sustentadas e as boas práticas e lições aprendidas foram perdidas. Os investimentos e despesas para a COVID-19 devem, portanto, resultar em benefícios a longo prazo e mais amplos, de acordo com as necessidades nacionais de capacidades sustentáveis. Por exemplo, na atual preparação estratégica e diretrizes de planejamento operacional de resposta à COVID-19 da OMS, 120 das 143 ações sugeridas, caso implementadas e sustentadas, resultariam em uma capacidade reforçada contra outras emergências de saúde. O anexo desta orientação mostra como as ações recomendadas para a COVID-19 podem ser vinculadas às capacidades para implementar o Regulamento Sanitário Internacional (2005) (RSI 2005), e, caso isso seja mantido, resultaria numa preparação a longo prazo.

Acesse aqui o documento

Páginas