Preparação, prontidão e ações de respostas crítica ao COVID-19.

Este documento descreve as ações de preparação, prontidão e ações de resposta crítica ao COVID-19 para cada cenário de transmissão.

Acesse aqui o documento

Manejo de viajantes doentes nos Pontos de Entrada (aeroportos, portos marítimos e passagens de fronteira internacionais) no contexto da COVID-19.

Segundo o Regulamento Sanitário Internacional (RSI), as autoridades sanitárias nos pontos de entrada devem estabelecer planos de contingência e ações efetivos em resposta a uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional, e comunicar com o Ponto Focal Nacional do RSI no tocante a medidas relevantes de saúde pública. Este documento fornece orientações sobre a detecção e manejo dos viajantes doentes com suspeita de COVID-19 nos pontos de entrada e em meios de transporte de qualquer natureza.

Acesse aqui o documento

Ferramenta de revisão das capacidades nacionais para o novo coronavírus (nCoV).

Este documento apresenta uma ferramenta para a revisão de capacidades existentes na área de detecção e resposta ao novo coronavírus. Estas informações ajudarão as autoridades nacionais a identificar as principais lacunas, realizar avaliações de risco e planejar investigações adicionais, ações de resposta e controle.

Acesse aqui o documento

Resposta à transmissão comunitária da COVID-19.

Este documento fornece orientação técnica para as autoridades governamentais, profissionais de saúde e outras partes interessadas para orientar a resposta à disseminação da comunidade. ele será atualizado à medida que novas informações ou orientações técnicas estiverem disponíveis.

Acesse aqui o documento

Considerações sobre a investigação de casos e agregados de casos (clusters) do COVID-19. Orientação provisória, 13 de março de 2020.

Este documento oferece orientação operacional aos Estados Membros para a investigação rápida dos casos suspeitos da COVID19 após um alerta ou sinal. É uma ferramenta a ser utilizada por autoridades de saúde locais, regionais ou nacionais que abordam considerações na investigação de casos de COVID19.

Acesse o documento aqui

Ferramenta da OMS para Avaliação de Risco da COVID-19 em Eventos com Aglomerações - Eventos Genéricos, Versão 2

Acesse o documento aqui

Ferramenta da OMS para Avaliação de Risco de COVID-19 em eventos com aglomeração de pessoas: Eventos Esportivos. Versão 2

O conteúdo desta ferramenta de Avaliação de Risco foi atualizado para refletir as novas orientações da OMS e novas evidências sobre a COVID-19 e os eventos com aglomeração de pessoas, bem como as devolutivas dos usuários finais. Melhorias adicionais foram feitas na forma como as informações são organizadas e apresentadas: agora a Árvore de Decisão está integrada à ferramenta e uma nova aba dedicada à Comunicação de Risco foi adicionada. A ferramenta expandida agora inclui seis abas: 1. Instruções; 2. Árvore de Decisão; 3. Avaliação da Risco; 4. Mitigação de Risco; 5. Matriz de Decisão; 6. Comunicação de Risco. O planejamento rotineiro de eventos com aglomeração de pessoas inclui a realização de avaliações de risco para determinar o risco geral de propagação da doença ligado a um evento com aglomeração de pessoas. Em virtude do surto atual de COVID-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu esta ferramenta de avaliação de risco para eventos esportivos. Inclui uma avaliação de risco, mitigação de risco e estratégia de comunicação de risco desenvolvida para uso por países-sede e organizadores de eventos com aglomeração de pessoas para avaliar o risco específico de COVID-19.

Acesse o documento aqui

Recomendações para a implementação da metodologia CICOM durante a resposta à doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19).

As recomendações técnicas deste documento visam fornecer orientações sobre a metodologia para implementação das Células de Informação e Coordenação Médica (CICOM) como uma função essencial do Centro Operacional de Emergências (COE) de Saúde, a fim de facilitar a tomada de decisões na expansão de capacidades, por meio do envio de equipes médicas de emergência e a instalação de locais alternativos de atenção médica, em cooperação com redes abrangentes de serviços de saúde e sistemas de atenção pré-hospitalar.

Acesse aqui o documento

Estratégias de vigilância para infecção humana por COVID-19. Orientação provisória. 10 de maio de 2020

O objetivo da vigilância para COVID-19 é limitar a propagação da doença, permitir que as autoridades de saúde pública gerenciem o risco de COVID-19 e, assim, liberar para que as atividades econômicas e sociais sejam retomadas na medida do possível. A vigilância também é necessária para monitorar as tendências de longo prazo da transmissão de COVID-19 e as mudanças no vírus. Esta orientação deve ser lida em conjunto com a orientação da OMS sobre ações de preparação, prontidão e resposta. Este documento oferece uma visão geral das estratégias de vigilância que os Estados Membros devem considerar como parte da vigilância nacional abrangente para COVID-19. Este documento enfatiza a necessidade de adaptar e reforçar os sistemas nacionais existentes e aumentar as capacidades de vigilância conforme necessário. A OMS publicou anteriormente um documento de orientação para a “Vigilância Global para COVID-19 causada por infecção humana pelo vírus da COVID-19” que inclui recomendações e ferramentas para relatórios internacionais. Ao revisar as estratégias nacionais de vigilância, os Estados Membros devem fornecer capacidade suficiente para relatar a vigilância global de COVID-19 à OMS.

Acesse o documento aqui

‘Perguntas’ ao setor privado na resposta à doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19)

O Plano Estratégico para Preparação e Resposta e a Atualização da Estratégia para COVID-19 apresentam as medidas de saúde pública necessárias para apoiar os países na preparação e resposta à COVID-19. Nessa inciativa, o setor privado tem um papel vital a desempenhar nas esferas locais, nacionais e globais. As seguintes “Perguntas” foram preparadas para que as empresas participem de ações concretas.

Páginas