Prevenção, identificação e manejo de infecção em profissionais de saúde no contexto da COVID-19. Orientação provisória. 30 de outubro de 2020

Este documento fornece orientações para prevenção, vigilância e testagem de COVID-19 em profissionais de saúde, incluindo o manejo após exposição e retorno seguro ao trabalho dos profissionais de saúde que tiverem infecção suspeita ou confirmada por SARS-CoV-2. No banco de dados de vigilância da OMS, o termo profissional de saúde inclui médicos, enfermeiros, profissionais de saúde associados (equipe de radiografia, laboratório, fisioterapeutas etc.) e pessoal administrativo e de apoio, como funcionários de limpeza e lavanderia, equipes de admissão/recepção, transporte de pacientes e refeitório. A prevenção da infecção no local de trabalho requer uma abordagem multifacetada e integrada que inclui medidas de PCI e de saúde e segurança do trabalho (SST), além da adesão às medidas sociais e de saúde pública da comunidade. A vigilância sindrômica é um processo frequentemente usado por sistemas de vigilância de saúde pública para a detecção precoce de surtos e se concentra na identificação precoce de sintomas. Desde o início da pandemia da COVID-19, os laboratórios têm usado testes de amplificação de ácido nucleico (NAATs), tais como ensaios de reação em cadeia da polimerase de transcrição reversa em tempo real (rRT-PCR), para detectar SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. Os testes de detecção de antígenos (Ag-RDTs) estão agora entrando no arsenal de ferramentas que podem desempenhar um papel significativo na orientação do manejo do paciente,na tomada de decisões em saúde pública e na vigilância daCOVID-19.

Acesse o documento aqui

Ferramenta de avaliação de risco para embasamento de medidas de mitigação relativas a viagens internacionais no contexto da COVID-19.16 de dezembro de 2020

Este documento é uma orientação detalhada sobre como implementar medidas de mitigação de risco para a retomada gradual das viagens internacionais no contexto da COVID-19. Ele prevê uma abordagem de avaliação de risco que se utiliza de métodos mistos que incluem dados quantitativos e qualitativos. Essa metodologia de avaliação de risco é a mais útil para países de destino nos quais há transmissão comunitária, e a principal preocupação é não sobrecarregar a capacidade do sistema de saúde, a eliminação da transmissão ficando em segundo plano. Esta ferramenta deve ser lida juntamente com os documentos de orientação provisória da OMS “Considerations for implementing a risk-based approach to international travel in the context of COVID-19” [Considerações para a implementação de uma abordagem baseada em riscos para viagens internacionais no contexto da COVID-19] e “Considerations for implementing and adjusting public health and social measures in the context of COVID-19” [Considerações para o ajuste de medidas sociais e de saúde pública no contexto da COVID -19. Ressalta-se que esta ferramenta está sujeita a exercícios-piloto, que podem resultar em sua atualização e aperfeiçoamento. Esta ferramenta poderá ser ajustada conforme a experiência do usuário.

Acesse o documento aqui

Protocolo de investigação de transmissão da doença causada pelo novo coronavírus 2019 (COVID-19) em escolas e outras instituições de ensino. 30 de setembro de 2020

O surgimento de um novo vírus significa que, no início de um surto, a compreensão dos padrões de transmissão, da gravidade, das características clínicas e dos fatores de risco para infecção será limitada. Para lidar com essas incógnitas, a OMS vem oferecendo protocolos para investigações especiais a serem usados em diferentes contextos. Os dados coletados através desses protocolos de investigação serão de suma importância para aperfeiçoar as recomendações relativas a definições de casos e vigilância; para caracterizar as principais características epidemiológicas da COVID-19; para ajudar a compreender a sua propagação, gravidade e o espectro da doença e seu impacto na comunidade; e para fornecer orientação quanto a aplicação de medidas de resposta, tais como o isolamento de casos e o rastreamento de contatos. Esses protocolos são projetados para permitir a coleta rápida e sistemática de dados em um formato que facilite a comparação entre os diferentes cenários e configurações a nível global. Embora a COVID-19 seja considerada menos grave em crianças, recentemente a Europa e a América do Norte notificaram um aumento do número de casos de síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica grave com características da doença de Kawasaki e síndrome do choque tóxico, aumento este desde o início da pandemia de COVID- 19. A relação causal entre esta doença grave em crianças e adolescentes e a infecção por SARS-CoV-2 ainda está sendo investigada. O objetivo geral é coletar dados de forma rápida e sistemática visando a uma compreensão da dinâmica de transmissão da infecção por COVID-19 entre casos e contatos ocorridos nas escolas e em outras instituições de ensino.

Acesse o documento aqui

Orientações de prevenção e controle de infecção para instituições de longa permanência no contexto da COVID-19. Orientação provisória. 8 de janeiro de 2021

Este documento é uma atualização das orientações publicadas em 21 de março de 2020 e contém novas evidências e orientações, incluindo: Resultados atualizados de estudos publicados sobre: epidemiologia e alcance da infecção pelo SARS-CoV-2 entre residentes e funcionários de instituições de longa permanência; eficácia das precauções de prevenção e controle de infecção (PCI) para prevenir a transmissão do SARS- CoV-2 em instituições de longa permanência; impacto das precauções de PCI na saúde mental e física e no bem-estar dos idosos e, principalmente, de pessoas com demência ou outras doenças mentais ou neurológicas; orientações atualizadas sobre precauções de PCI para prevenir a propagação do SARS- CoV-2 e para proteger os trabalhadores da saúde e os cuidadores dos pacientes com suspeita ou confirmação de COVID-19 em instituições de longa permanência. Orientações sobre detecção precoce do SARS- CoV-2 entre residentes e funcionários de instituições de longa permanência. Orientações sobre políticas para visitantes em instituições de longa permanência e considerações adicionais sobre como minimizar o impacto sobre a saúde mental e física das restrições e medidas de PCI implementadas no contexto da COVID-19.

Acesse o documento aqui

Páginas