Orientação para a Condução de Revisão Intra-Ação (IAR) Nacional da COVID-19. 23 de julho de 2020

Com a expectativa de que a pandemia da COVID-19 possa continuar nos próximos meses, a OMS, em colaboração com seus escritórios e parceiros regionais, desenvolveu estas orientações para apoiar os países, à medida que analisem seus esforços contínuos de resposta, por meio de processos de aprendizado e aprimoramento contínuos. Para os fins desta orientação, uma revisão intra-ação (IAR) é definida como uma discussão facilitada e liderada por um país que permite que as partes interessadas nacionais e subnacionaisda resposta à COVID-19 (i) reflitam sobre as ações adotadas para se preparar e responder ao surto de COVID-19 no país, de modo a identificar as melhores práticas atuais, lacunas e lições aprendidas, e (ii) proponham ações corretivas para melhorar e reforçar a resposta contínua à COVID-19. Além disso, os achados e recomendações da IAR podem contribuir para a melhoria no manejo de emergências simultâneas e na segurança de saúde em longo prazo. Uma IAR proporciona uma oportunidade de analisar a capacidade funcional dos sistemas de saúde pública e de resposta emergencial nos níveis nacional e subnacional, bem como de identificar áreas práticas que precisam de remediação imediata ou que podem ser alvo de melhoria sustentada da resposta ao surto.

Acesse o documento aqui

Ferramenta da OMS para Avaliação de Risco da COVID-19 em Eventos com Aglomerações - Eventos Genéricos, Versão 2

Acesse o documento aqui

Ferramenta da OMS para Avaliação de Risco de COVID-19 em eventos com aglomeração de pessoas: Eventos Esportivos. Versão 2

O conteúdo desta ferramenta de Avaliação de Risco foi atualizado para refletir as novas orientações da OMS e novas evidências sobre a COVID-19 e os eventos com aglomeração de pessoas, bem como as devolutivas dos usuários finais. Melhorias adicionais foram feitas na forma como as informações são organizadas e apresentadas: agora a Árvore de Decisão está integrada à ferramenta e uma nova aba dedicada à Comunicação de Risco foi adicionada. A ferramenta expandida agora inclui seis abas: 1. Instruções; 2. Árvore de Decisão; 3. Avaliação da Risco; 4. Mitigação de Risco; 5. Matriz de Decisão; 6. Comunicação de Risco. O planejamento rotineiro de eventos com aglomeração de pessoas inclui a realização de avaliações de risco para determinar o risco geral de propagação da doença ligado a um evento com aglomeração de pessoas. Em virtude do surto atual de COVID-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu esta ferramenta de avaliação de risco para eventos esportivos. Inclui uma avaliação de risco, mitigação de risco e estratégia de comunicação de risco desenvolvida para uso por países-sede e organizadores de eventos com aglomeração de pessoas para avaliar o risco específico de COVID-19.

Acesse o documento aqui

Estratégias de vigilância para infecção humana por COVID-19. Orientação provisória. 10 de maio de 2020

O objetivo da vigilância para COVID-19 é limitar a propagação da doença, permitir que as autoridades de saúde pública gerenciem o risco de COVID-19 e, assim, liberar para que as atividades econômicas e sociais sejam retomadas na medida do possível. A vigilância também é necessária para monitorar as tendências de longo prazo da transmissão de COVID-19 e as mudanças no vírus. Esta orientação deve ser lida em conjunto com a orientação da OMS sobre ações de preparação, prontidão e resposta. Este documento oferece uma visão geral das estratégias de vigilância que os Estados Membros devem considerar como parte da vigilância nacional abrangente para COVID-19. Este documento enfatiza a necessidade de adaptar e reforçar os sistemas nacionais existentes e aumentar as capacidades de vigilância conforme necessário. A OMS publicou anteriormente um documento de orientação para a “Vigilância Global para COVID-19 causada por infecção humana pelo vírus da COVID-19” que inclui recomendações e ferramentas para relatórios internacionais. Ao revisar as estratégias nacionais de vigilância, os Estados Membros devem fornecer capacidade suficiente para relatar a vigilância global de COVID-19 à OMS.

Acesse o documento aqui

Considerações para implementação de tratamento em massa, busca ativa de casos e pesquisas de base populacional para doenças tropicais negligenciadas no contexto da pandemia de COVID-19. Orientação provisória. 27 de julho de 2020

Este documento apresenta a estrutura de tomada de decisão para implementação de intervenções de tratamento em massa, campanhas de busca ativa de casos e pesquisas de base populacional para doenças tropicais negligenciadas (DTNs) no contexto da pandemia de COVID-19. Traz ainda considerações que servem de orientação para as autoridades sanitárias relevantes, gestores de programas de DTN e seus parceiros.

Acesse o documento aqui

Módulos harmonizados - módulos para avaliação de estabelecimentos de saúde no contexto da pandemia de COVID-19. Orientação provisória. 31 de maio de 2020

Esse conjunto de módulos é desenhado/adaptado para atender as necessidades dos países durantes as diferentes fases de preparo, resposta e recuperação à COVID-19. É alinhado e consistente com todas as orientações publicadas pela OMS para COVID-19. O objetivo primário é dar suporte à avaliação rápida das capacidades atuais, do aumento expressivo de casos e capacidades futuras de estabelecimentos de saúde, para estarem preparados, prontos e responsivos à COVID-19, paralelamente à prestação de serviços essenciais de saúde. Esse conjunto inclui módulos relacionados ao preparo e planejamento de resposta, tratamento de pacientes com COVID-19, continuidade de serviços essenciais de saúde e capacidade e proteção do trabalhador da saúde. Além disso, inclui avaliações em profundidade da disponibilidade de equipamentos biomédicos e de diagnóstico essenciais, medicamentos, triagem, aspectos de segurança e estruturais. Cada módulo inclui ferramentas de avaliação para coleta e análise de dados, priorizando ações, e suporte à tomada de decisões na unidade de saúde, em nível subnacional e nacional. Portanto, os módulos ajudam a desenvolver e atualizar os planos, assim como também monitorar as capacidades dos estabelecimentos de saúde. Os países podem selecionar diferentes combinações de módulos de acordo com o contexto e a necessidade para uso único ou recorrente durante a pandemia. As ferramentas de avaliação estão disponíveis online por meio de um aplicativo gratuito para download assim como arquivos para download. Os módulos são apresentados na tabela abaixo, seguidos de mais detalhes. A OMS irá compartilhar módulos conforme eles forem finalizados nas próximas semanas.

Acesse o documento aqui

Consulta global On-line sobre Rastreamento de Contatos para covid-19. 9-11 de junho de 2020

O rastreamento de contatos é uma parte essencial da resposta à pandemia da COVID-19 e deve ser um componente central de todas as estratégias nacionais de controle da COVID-19. Ele retarda a transmissão do vírus ao quebrar as cadeias de transmissão de pessoa para pessoa, ajudando a reduzir o número de casos novos gerados por cada caso confirmado para menos de um, mantendo-o nesse nível.A COVID-19 enfatizou fortemente o quanto o rastreamento de contatos é crucial para o manejo de surtos e como parte da estratégia para ajustes e, por fim, para a suspensão de lockdowns e outras medidas sociais e de saúde pública rigorosas. À medida que a pandemia se desenvolve, ele será uma medida fundamental para controle de novas ondas de infecção.Para expandir e melhorar a capacidade de rastreamento de contatos é preciso abranger muitos elementos, todos os quais devem ser apropriadamente adaptados para a COVID-19. Isso inclui, entre outras coisas: planejamento para implementação, ampliação e sustentabilidade nos níveis nacional e subnacional; treinamento; comunicação de risco e envolvimento da comunidade; gestão de informações em tempo real; avaliação e implementação de novas ferramentas e abordagens; análise ampliada de indicadores de rastreamento de contatos (resultados e processos) e cadeias de transmissão; e monitoramento e avaliação.

Acesse o documento aqui

Lista de verificação para gerenciamento de riscos e impactos de pandemias de COVID-19. Documento provisório. 27 de fevereiro de 2020

Este documento é uma ferramenta para ajudar autoridades nacionais a elaborar ou revisar planos nacionais de preparação e resposta a pandemias de COVID‑19. Este documento foi elaborado tendo em conta os seguintes pilares e com base nas diretrizes provisórias de COVID-19 e nas orientações da OMS sobre temas relacionados a influenza pandêmica e planejamento de emergências em saúde pública. Cada seção deste documento apresenta uma lista de ações sugeridas de planejamento que os países podem executar para estarem mais bem preparados para uma pandemia. Este documento destina-se a autoridades nacionais responsáveis pela preparação e resposta a pandemias.

Acesse o documento aqui

Recomendações para a implementação da metodologia CICOM durante a resposta à doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19).

As recomendações técnicas deste documento visam fornecer orientações sobre a metodologia para implementação das Células de Informação e Coordenação Médica (CICOM) como uma função essencial do Centro Operacional de Emergências (COE) de Saúde, a fim de facilitar a tomada de decisões na expansão de capacidades, por meio do envio de equipes médicas de emergência e a instalação de locais alternativos de atenção médica, em cooperação com redes abrangentes de serviços de saúde e sistemas de atenção pré-hospitalar.

Acesse aqui o documento

‘Perguntas’ ao setor privado na resposta à doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19)

O Plano Estratégico para Preparação e Resposta e a Atualização da Estratégia para COVID-19 apresentam as medidas de saúde pública necessárias para apoiar os países na preparação e resposta à COVID-19. Nessa inciativa, o setor privado tem um papel vital a desempenhar nas esferas locais, nacionais e globais. As seguintes “Perguntas” foram preparadas para que as empresas participem de ações concretas.

Páginas